4 Replies Latest reply: May 12, 2017 9:43 PM by Pablo Labbe RSS

    interpretação set analysis

    marcel viegas

      Prezados,

       

      localizei em um grafico dentro do sum() o sequinte criterio no set analysis, e o calculo não esta fechando, creio que seja a forma que esta sendo selecionado o centro de custo, alguem me confirma a logica?

       

      ACOMP_ORC_CD_CENTRO_CUSTO = P({$<[Centro de Custo Orç.] =$::[Centro de Custo Orç.]>} ORC_CD_CENTRO_CUSTO)

       

       

      obrigado!

        • Re: interpretação set analysis
          mauro ponte

          Marccel,

           

          Essa sintaxe se utiliza quando utilizamos estados alternativos.

           

          Quando eu tenho uma expressão onde desejo utilizar um estado alternativo ei especifico no set analisys o estado alternativo desejado, por exemplo:

           

          sum({[Grupo 1]<Região = $::Região>} Vendas)

           

          Nessa expressão o calculo vai seguir as seleções em objetos com estado alternativo [Grupo 1], porem para o campo regiao serão seguidas as seleções em objetos com estado padrão.

           

          No seu caso para a expressão e seleção que a mesma seguirá para o campo [Centro de Custo Orç.] as de objetos que utilizam o estado padrão. sua expressão nao está completa mas provavelmente deve ter uma referencia a algum estado alternativo no set analisys.


          Veja o que tem no manual de referencia que pode te ajudar.


          68.1 Estados Alternativos e Expressões de Gráfico

          As expressões de gráfico e outras expressões de objeto herdam o estado do objeto que contém a expressão.

          As expressões de gráfico e de objeto podem referenciar estados alternativos. Isso significa que uma expressão

          pode referenciar um estado diferente do objeto que a contém, independentemente de onde ocorra. A sintaxe

          dessa referência é o mesmo que referenciar um conjunto em Análise de Conjunto. Para entender como isso

          funciona, pode ser útil revisar Análise de Conjunto (, 878).

          Há muitos anos, um dos recursos básicos do QlikView tem sido a possibilidade de usar o estado padrão

          para acionar um subconjunto de dados no qual serão calculados gráficos e agregações. O algoritmo básico

          assume a definição do estado nos termos dos Valores selecionados por Campo e determina um Conjunto em

          termos de um subconjunto de Linhas por Tabela. A Análise de Conjunto permite que esse comportamento

          padrão seja alterado em dois pontos distintos:

          l Definição de um conjunto de dados que é independente das seleções atuais.

          l Combinação de vários conjuntos por meio do uso de operadores matemáticos como União, Interseção

          e Exceção.

          Os Estados Alternativos desempenham um papel na primeira parte: a definição de estados de seleção a partir

          dos quais é possível gerar conjuntos. Assim como na Análise de Conjunto, $ e 1 têm significados especiais.

          O estado padrão sempre é representado por $, enquanto todos os dados, independentemente dos estados e

          seleções, são representados por 1.

          Com a introdução dos Estados Alternativos, dois novos elementos de sintaxe foram lançados:

          Uma expressão pode se basear em um estado alternativo.

          Exemplos:

          sum({[Grupo 1]} Vendas)

          calcula as vendas com base nas seleções feitas no estado “Grupo 1”.

          sum({$} Vendas)

          calcula as vendas com base nas seleções feitas no estado padrão.

           

          Essas duas expressões podem existir em um único gráfico. Desse modo, os usuários finais podem

          comparar vários estados em um objeto único. As referências de estado dentro das expressões

          substituem o estado do objeto.

          As seleções em um campo em um estado podem ser usadas como modificadores em outro estado.

          Exemplo:

          sum({[Grupo 1]<Região = $::Região>} Vendas)

          Essa sintaxe usa as seleções no campo Região do estado padrão e modifica o estado “Grupo 1” com

          elas. O efeito é manter o campo Região "sincronizado

            • Re: interpretação set analysis
              marcel viegas

              Oi Mauro,

               

              Otima explicação mas então... não localizei nada de estado alternativo nesta expressão, estou colocando ela abaixo completa.

              sum({1<

              [Ano Acomp. Orçamento] = {">=$(=(vAno))<=$(=(vAno))"},

              [Mês Acomp. Orçamento] = P({1<Mês =S1::Mês>} Mês),

              //[Período Acomp. Orçamento] ={"<=$(=(MAX(MonthName(EXCEL_DT_FECHAMENTO_CONT))))"},

              [Período Acomp. Orçamento] ={"<=$(=(Max({1<[Período Acomp. Orçamento] = P({$<ACOMP_ORC_CD_ESTABELECIMENTO =  P({$<[Estabelecimento Orç.] =$::[Estabelecimento Orç.]>} ORC_CD_ESTABELECIMENTO)>} Data_Ultimo_Fechamento_REDE)>} [Período Acomp. Orçamento])))"},

              ACOMP_ORC_CD_CENTRO_CUSTO = P({$<[Centro de Custo Orç.] =$::[Centro de Custo Orç.]>} ORC_CD_CENTRO_CUSTO),

              ACOMP_ORC_TIPO_VALOR_ORC = {"$(=('Realizado '&(vAno)))","$(=('Realizado '&(vAno)))","$(=('Orçado '&(vAno)))"},

              ACOMP_ORC_CD_ESTABELECIMENTO =  P({$<[Estabelecimento Orç.] =$::[Estabelecimento Orç.]>} ORC_CD_ESTABELECIMENTO)

              >} ACOMP_ORC_VALOR_ORC)

                • Re: interpretação set analysis
                  mauro ponte

                  Marcel,

                   

                  Essa expressão é bem extensa. Não estou conseguindo identificar o problema. Teria como voce disponibilizar o QVW para eu tentar te ajudar?

                  • Re: interpretação set analysis
                    Pablo Labbe

                    A formula está complexa mas achei a definição de um estado alternativo chamado S1 com referência a coluna Mês.

                    S1::Mês

                     

                    Vi também que a formula ignora todos os filtros com o modificador 1 

                    sum({1<

                    e aplica filtros conforme os modificadores de campo que estão declarados.

                     

                    Sem conhecer o modelo de dados, o conteúdo das colunas envolvidas e o comportamento esperado para a expressão fica complicado achar o erro e propor uma solução.

                     

                    Pablo